Falha no WhatsApp permite hackers controlar contas por chamada de vídeo 0 34

falha no whatsapp

Bastava apenas atender a uma chamada de vídeo, para o hacker controlar toda a conta do usuário no WhatsApp.

Foi descoberto no aplicativo de mensagem instantânea, WhatsApp, uma falha que permite a hackers ter total controle na conta dos usuários.

A invasão começava a partir atendimento a uma chamada de vídeo, informaram os websites de tecnologia ZDnet e The Register.

 A vulnerabilidade, afeta apps do WhatsApp em smartphones da Apple e Android. A vulnerabilidade foi descoberta no fim de agosto.

Um comunicado da pela equipe de desenvolvimento da empresa Facebook Inc. (proprietária do WhatsApp), no início de outubro, afirma que já foi disponibilizado uma atualização corrigindo a falha.

A resposta do Facebook , não veio de imediato a pedidos de usuários, no FAQ da empresa, e também não relata números ou se de fato, teve êxito, algum ataque à usuários.

“Isso é uma grande coisa”, disse no Twitter Travis Ormandy, um pesquisador do Google Project Zero que descobriu a falha. “Apenas responder a uma chamada de um ataque poderia comprometer completamente o WhatsApp.”

O Facebook vem sofrendo com uma série de problemas relacionados à segurança, tanto no ano passado quanto em 2018. A poucos, a empresa divulgou sua maior falha de segurança, que afetou quase 50 milhões de contas.

Com relação a esse novo evento, envolvendo desta vez, o WhatsApp, a empresa se limitou comunicar apenas que já resolveu o problema.

Fonte: Terra

Previous ArticleNext Article

WhatsApp: golpe faz milhares de vítimas em 48hs 0 95

WhatsApp: golpe com infecta milhares de pessoas em 48hs

Veja se você não é mais uma vítima e como se proteger do novo golpe no WhatsApp, que oferece cupons de descontos de empresa famosa.

Que o WhatsApp é o maior aplicativo de mensagens, todo mundo sabe. O que muita gente não sabe, é que milhares de espertalhões usa o aplicativo para dar golpes.

A PSafe, empresa de segurança digital, identificou mais um golpe no WhatsApp, e nesse oferece cupons de R$ 100 do aplicativo iFood, empresa especializada em entrega de comidas.

Segundo a PSafe, só últimas 48 horas, foram detectados 86 mil ciberataques, pela o DFNDR Lab, laboratório especializado em segurança digital.

“Os cibercriminosos se aproveitam da credibilidade da marca, forjando que a empresa estaria fazendo aniversário e por isso está realizando a suposta promoção”, diz a PSafe em nota.

Quando o usuário clica no link, ele é redirecionado para uma página com uma pesquisa para ser respondida para o usuário tenha acesso ao suposto cupom.

No formulário são abordadas três questões: “Conhece o funcionamento do iFood?”; “Possui o aplicativo instalado no seu smartphone?”; “Indicaria o iFood para amigos e familiares?”.

Ao responder essas perguntas, a vítima é direcionada a uma página na qual é incentivada a compartilhar com todos os amigos ou grupos do WhatsApp.

No o texto diz que, após o compartilhamento o usuário será redirecionado para autenticar o cupom e receberá uma confirmação por SMS.

“A estratégia de solicitar o compartilhamento via aplicativo de mensagem é perfeita para que o golpe se espalhe rapidamente”, frisa o especialista da DFNDR.

“Por isso é muito importante que as pessoas estejam atentas ao que recebem via aplicativos de mensagens, independentemente de quem enviou e da marca em questão”, finaliza Emilio Simoni, diretor do DFNDR Lab.

Há menos de um mês A Psafe, alertou para um anúncio semelhante, que oferecia até 20 GB de internet gratuita por até 60 dias para usuários de qualquer operadora de telefonia móvel no Brasil.

Igualmente ao outro, as pessoas eram direcionadas a uma página falsa e precisava responder a perguntas. No fim, era convidada a compartilhar o conteúdo com amigos do WhatsApp.

Esse foi mais um golpe que fez milhares de vítimas no Brasil. Segundo o laboratório, as vítimas são pessoas que estão em diversos grupos, ou que não tenha muito conhecimento sobre segurança digital.

Por isso é muito importante não disponibilizar o número para pessoas que você não conheça, e não sair clicando em links encaminhados no mensageiro.

O iFood fala sobre o caso

O iFood esclarece que o conteúdo é falso e recomenda que os usuários ignorem a mensagem. Diz que os únicos canais de comunicação com os clientes são por meio da plataforma (push), e-mails, site oficial e WhatsApp business, identificado com o selo verde de conta verificada nas informações de contato.

Para controlar a propagação de FakeNews ou siberataques através do mensageiro, a equipe de desenvolvimento do WhatsApp, fez diversas mudanças e atualizações em 2018.

Desde maio, o WhatsApp vem disponibilizando atualizações que inibem e reduzem a quantidade de mensagens encaminhadas por usuário tanto em grupos ou mensagem privada.

Snapchat: príncipe saudita compra de 2,3% do app 0 1299

Al-Waleed, comprou as ações do Snapchat em torno de US$11 cada, bem abaixo das cotações de US$ 13,10 fechadas antes dos lucros da empresa começarem fluir

O príncipe saudita, Al-Waleed, investiu US$ 250 milhões na Snap Inc. para ajudar a sobreviver do aplicativo de mensagens. O próprio principe Al-Waleed Talal, twittou  um vídeo dele e do CEO da Snap, Evan Spiegel, informando sobre o montante de US$ 250 milhões em troca de uma participação de 2,3% na Snap Inc. O investimento levanta questões sobre o que os sauditas farão na direção do Snapchat.

A imprensa especula que Al-Waleed, comprou as ações em torno de US$11 cada, bem abaixo das cotações de US$ 13,10 fechadas antes dos lucros serem liberados. Com base nesses valores, significa que ele comprou em uma avaliação em torno de US$ 14 bilhões.

Os mandatários do Snap se recusaram a comentar as notícias a respeito das vendas de ações para o príncipe. Mas depois de uma queda inicial de 11%, depois que os lucros foram anunciados, as ações da Snap subiram para pouco menos que o preço de fechamento, à medida que o usuário encolheu, o investimento saudita naufragou.

O príncipe Al-Waleed Talal, já se juntou ao setor de tecnologia dos EUA, investindo no Lyft e no Twitter. Em outros lugares, ele recentemente fez investimentos no serviço europeu de streaming de música Deezer, bem como no gigante chinês de comércio eletrônico JD.com. Anteriormente, ele possuía ações da News Corp. e do Citigroup.

O dinheiro extra ajudará o Snapchat a se manter firme e dará mais tempo para estabilizar seus negócios. Com a sua contagem diária de usuários agora diminuindo, ele terá que encontrar maneiras criativas de extrair mais dinheiro daqueles que restam para manter o crescimento da receita. Isso pode levar tempo, e a Arábia Saudita acabou de dar mais uma mãozinha.

Fonte: TechCrunch
Veja também:

A faixa de 700 MHz foi liberada para 4G em todas as capitais do Brasil

Facebook é um dos principais navegadores móveis dos EUA

App espião do WhatsApp

Imagens

Veja mais